Cuiabá - MT | Sexta-Feira, 22 de Outubro de 2021

Há oito anos morria Ary Leite de Campos, um homem impulsivo e demasiadamente franco

Há oito anos morria Ary Leite de Campos, um homem impulsivo e demasiadamente franco

 

Filho de família tradicional mato-grossense, o conselheiro aposentado do Tribunal de Contas de Mato Grosso (assim gostava de ser chamado) Ary Leite de Campos, não tinha papas na língua e sempre dizia o que pensava. Mesmo afastado das disputas eleitorais há algum tempo, ele acompanhava o cotidiano da política em Várzea Grande.
Ary Leite de Campos nasceu em Várzea Grande, em 12 de julho de 1940. Filho de Gonçalo Domingos de Campos e dona Dirce Leite de Campos é de uma família de oito irmãos: Terezinha Catarina de Campos Monteiro, Gonçalo Domingos de Campos de Filho, Atair de Leite Campos, Maria Nazarello Campos, Antonina Leite de Campos, Marise Leite e João Nazarello de Campos.

 

Leia Também:

– Há 44 anos o Estado de Mato Grosso era dividido

– Várzea Grande, 73 anos de independência

– Há 104 anos nascia “seo” Manoel Bernardo, um comerciante à moda antiga

– Há 56 anos, Gabriel de Matos Müller era emposado prefeito de Várzea Grande

– Poder Legislativo de Várzea Grande, 72 anos de instalação

– Há 104 anos nascia Elmaz Gattas

– Aeroporto Marechal Rondon, 65 Anos dividindo Várzea Grande

– Há 7 anos os amantes da noite perdiam Júlio Birré: um boêmio equilibrado

– Gonçalo Domingos de Campos e seus segredos

– 14 anos sem o nosso maior artilheiro

– Há 90 anos nascia Sarita Baracat, uma mulher vitoriosa

– O Beco do Porrete nunca mais foi o mesmo, quando há 21 anos morria Bugrelo, o Fufu-de-Veado

– Há oito anos morria Edson Reveles, um amante do Magistério

–  Há 83 anos nascia Júliio Birré, um boêmio equilibrado

– Há 85 anos nascia o folclório “Bugrelo” ou Fufu-de-Veado

– Há 103 anos, nascia “seo” Manoel Bernardo, um comerciante à moda antiga 

– Há 80 anos nascia Ary Leite de Campos

-Várzea Grande, 153 anos de história e tradição

-Lamartine Pompeo, um apaixonado por Várzea Grande

-Há 100 anos Adalgisa de Barros era empossada professora na Vila de Várzea Grande

-“Seo Fiote”: 103 anos de uma trajetória vitoriosa

-Há 20 anos o Beco do Porrete perdia Bugrelo, o Fufu-De-Veado

-Rasqueado: de várzea-grandense a cuiabano

-Sovaco à Souza Lima – 71 anos de história e tradição 

-O marco histórico de Várzea Grande faz 67 anos

-Bom Sucesso, 16 anos de história e tradição

-Há seis anos morria Ary Leite de Campoos, impulsivo e demasiadamente franco

-Várzea Grande celebra 71º aniversário de autonomia político-administrativa

-Bom Sucesso, 195 anos de história e tradição

-Há 121 anos morria José Vieira Couto de Magalhães
–Oxente… Agora vai…!!!!
-A inveja mata até o invejoso

-Clube Náutico – 73 anos de muitas histórias

-Há 54 anos, Gabriel de Matos Muller era empossado prefeito de Várzea Grande

 

De 1960 a 1967, exerceu o cargo de inspetor de menores e tinha diploma de perito contador, formado pela Escola João Pompeo de Campos Sobrinho. Foi presidente do Clube Operário em 1963, e era radicado nos meios empresariais de Várzea Grande, onde possuía propriedades e gozava de grande círculo de amizades. Casado com a professora Nilda Godoy de Campos, teve três filhos, Gonçalo Domingos de Campos Neto, Lise Laura Campos Bianchini e Naíse Godoy de Campos Freire e sempre residiu em seu município.
Ingressou na política em 1969, quando se elegeu prefeito de Várzea Grande. Inicialmente, a campanha à Prefeitura de Várzea Grande, parecia ter poucas chances de vitória, pois disputava com o prestígio político da família Baracat.
Eleito no pleito de 15 de novembro de 1969 assumiu o cargo de Prefeito Municipal de Várzea Grande em 31 de janeiro de 1970 até 31 de janeiro de 1973 e foi o décimo segundo prefeito da Cidade Industrial. Na ocasião elegeu-se vice-prefeito o ex-vereador Ídio Nemésio de Barros.

DEMOLIÇÃO DO PAÇO
Durante três meses a sede da administração foi o prédio próprio, construído em 1968, na gestão da prefeita Sarita Baracat de Arruda. Infelizmente, em maio de 1970, o novo prefeito recebeu ordem urgente para desocupar o aludido Paço Municipal, sob alegação de achar-se o mesmo na faixa de segurança de pouso e decolagem da pista do Aeroporto Marechal Rondon. Tratando-se de ordem expressa do Ministério da Aeronáutica foi de imediato, providenciada a mudança e o prédio demolido.
Pela Lei nº 436 de 30 de abril de 1971, a área da Colônia União recebeu o nome de Bairro Cristo Rei e vários loteamentos foram implantados ali. Em 1972, o Ministério da Aeronáutica, em virtude do crescimento evidente, de aviões de passageiros no Aeroporto Marechal Rondon, resolveu fechar a área, solicitando apoio da Prefeitura de Várzea Grande, pois ali estavam residindo mais de cem famílias de trabalhadores humildes. O prefeito Ary entregou a missão ao Secretário Municipal de Obras Públicas, o tenente-coronel Ubaldo Monteiro, que loteou a área vizinha denominada Roção, e 202 lotes foram doados aos que ocupavam terrenos no Campo de Aviação. Três meses depois o patrimônio estava evacuado e o fechamento do Campo de Aviação se processou.
Em 1972 foi construído o primeiro Centro Educacional na cidade, que recebeu o nome de Licínio Monteiro da Silva, instalado em janeiro de 1973. O Clube Esportivo Operário várzea-grandense recebeu auxilio diversos, inclusive para a construção da sede.
Na gestão do então prefeito Ary Leite de Campos, foi construída a Feira Livre, mictório público e loteado a área da Ponte Nova.

INCENTIVO AS INDÚSTRIAS
Ary Leite de Campos fez uma administração muito boa para a época, pois sendo seu mandato de três anos, empenhou esforços maiores na área Industrial, na de loteamentos e, em especial, na assistência aos carentes, com atendimentos médicos e farmacêuticos. É reconhecido como um dos grandes responsáveis pela expansão e incentivo as indústrias e loteamentos de áreas vazias para compor moradias a grande número de migrantes para Várzea Grande.
Em 1974 foi eleito deputado estadual, cuja cadeira renovou nas eleições de 1978 e 1982, nesta última obtendo o primeiro lugar em votação no Estado de Mato Grosso.
Como deputado, foi vice-presidente e presidente da Comissão de Finanças e Orçamento da Assembleia Legislativa, foi segundo Secretário da Mesa Diretora da mesma Casa de Leis e membro da Comissão Especial de Revisão Territorial e da Comissão Parlamentar de Inquérito.
Em virtude dos serviços ao Estado, recebeu o título de Membro do Quadro Geral da Ordem do Mérito de Mato Grosso, no Grau de Oficial, e Membro do Quadro Oficial da Ordem do Mérito Legislativo, além dos títulos de Cidadão Honorário de Rosário Oeste, Nobres, D. Aquino, Arenápolis, Jangada e Campo Verde.
Em 13 de maio de 1986, Ary deixou a Assembleia Legislativa e foi para o Tribunal de Contas do Estado, quando foi nomeado pelo então governador, Engenheiro Júlio José de Campos.
Em 1992 foi eleito o 38º (trigésimo oitavo presidente do TCE) com mandato até 03 de janeiro de 1994, onde imprimiu dinamismo e fluidez à solução dos milhares de processos que, obrigatoriamente e anualmente, tramitam pela Corte de Contas mato-grossense.
Após 23 anos de serviços prestados ao Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso, aposentou-se, dia 18 de maio de 2009.
O grande várzea-grandense, Ari Leite de Campos morreu no dia 14 de outubro de 2013.

*WILSON PIRES DE ANDRADE  é jornalista, locutor e mestre de cerimônia  em Mato Grosso.

E-MAIL:             wilson.piress@gmail.com 
CONTATO:        www.facebook.com/wpa.pires