Cuiabá - MT | Sexta-Feira, 22 de Outubro de 2021

Ex-assessor da Câmara de Cuiabá se passa por suposta advogado, ilude famílias e aplica golpes imobiliários em MT

Ex-assessor da Câmara de Cuiabá se passa por suposta advogado, ilude famílias e aplica golpes imobiliários em MT

Diversos boletins de ocorrência foram registrados, na Polícia Civil de Mato Grosso, nos últimos meses, contra Marcos Antônio Souza Larranhaga Carrara, em casos de suspeita de estelionato e falsidade ideológica. Os casos são investigados pela  1ª Delegacia da Polícia Judiciária Civil de Cuiabá.

Para convencer as vítimas, Marcos Antônio Carrara se apresentava como corretor de imóveis, advogado e até jornalista, embora não tenha registro na seccional de Mato Grosso da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-MT) nem do Conselho Regional dos Corretores de Imóveis (Creci-19ª Região). Tampouco registro de jornalista no Ministério do Trabalho.

Num dos golpes mais ousados, ele supostamente comprou pela metade do preço de mercado uma casa avaliada em mais de R$ 1,6 milhão, no Jardim das Américas (região Sul de Cuiabá), sem ter pago um centavo, em dinheiro. Ele se apresentou como dona da casa,  para a equipe de segurança da rua e até chamou a polícia,  provavelmente para coibir o acesso dos demais herdeiros, verdadeiros proprietários.

Marcos Carrara conversou com o filho da dona da Academia Gisa, se passando por proprietário, inclusive pedindo imagens da lateral da casa.

Na manobra, Marcos Antônio teria comprado a casa de Eremita Laura Silva Ourives, Melina Laura da Silva Ourives e Janete da Silva Ourives, que são três das herdeiras do espólio do professor e procurador Attilio Ourives.

Para quem não se lembra, Ourives foi corregedor geral do Ministério Público do Estado e professor e ex-reitor da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT). Fizeram negócio sem a anuência dos demais herdeidos do primeiro e segundo casamentos, o que é proibido por lei.

Antes disso,  Marcos Carrara também comprou uma chácara da família Ourives, avaliada no mercado imobliário por quase R$ 800 mil, por apenas R$ 380 mil.

A chácara, localizada na estrada velha do Distrito de Nossa Senhora da Guia (sentido Acorizal),  foi vendida por Eremita Laura da Silva Ourives, com anuência da senhora Janete Ourives e Melina Ourives, recebendo como pagamento, sem comunicação ao Poder Judiciário de Mato Grosso (juízo inventariante), sobre a venda, um apartamento no valor de R$ 190 mil,  que supostamente valeria R$ 150 mil.

Marcos Carrara teria parcelado o restante em oito vezes. Mais um negócio sem a anuência dos demais herdeiros da família do professor Attilio Ourives.

Entretanto, alguns dos herdeiros descobriram que o apartamento pertenceria a terceiros e não ao senhor Marcos Carrara. Aliás, a  verdadeira proprietária do apartamento, servidora pública B.  M.  S.   S., 29 anos, registrou boletim de ocorrência 2021.249226, na Delegacia de Polícia Civil, contra Larranhaga Carrara.

Em outro golpe, ele abriu conta no Nu Bank em nome de Maria da Conceição Ouvires de Figueirero, idosa e viúva. Marcos Antônio se apossou das senhas e não permitiu que paroprietária da conta tivesse acesso aos dados da instituição financeira.

 

Jaqueline Auxiliadora de Figueiredo, filha da  vítima, denunciou à Polícia Civil que Marcos Carrara fez transferências de R$ 5,9 mil, para a própria conta, em caráter de teste. E, depois, de R$ 89.000,00 novamente para a sua rópria conta bancária.

No Boletim de Ocorrência 2021.237100, registrado na 1ª Delegacia de Cuiabá, ele se comprometeu em extornar o valor apara a senhora Maria da Conceição de Figueiredo, mas não cumpriu a promessa.

A família doou mobília residencial para o herdeiro Manoel da Silva Ourives, para se instalar na casa do Jardim das Américas. Porém, mesmo sendo um dos proprietários, Manoel Ourives foi impedido por Marcos Carrara, apoiado por Eremita, Janete e Melina, de entrar no imóvel.

Marcos Carrara colocou um policial à paisana, na casa, para impor a sua posse, no imóvel. Em questão de segurança, ele sempre usa o nome do presidente da Câmara de Cuiabá, vereador Juca do Guaraná Filho (MDB)

Até bem pouco tempo, Larranhaga Carrara era considerado homem de confiança do vereador Lídio Barbosa – o Juca do Guaraná. A sua esposa Dele Nassarden, inclusive, continua na equipe do presidente da Câmara de Cuiabá.

Após algumas denúncias chegarem ao gabinete da Pesidência do Palácio Pascoal Moreira Cabral, Marcos Antônio Souza Larranhaga Carrara  foi exonerado da Câmara de Cuiabá.

A reportagem do portal de notícias Cuiabano News tentou ouvir Marcos Carrara, mas não obteve êxito. As ligações não foram atendidas, tampouco houve retorno. O espaço continua aberto para manifestação da defesa do senhor   Marcos Antônio Souza Larranhaga Carrara,  investigado pela Polícia Civil de Mato Grosso, por suspeita de estelionato.

A reportagem do Cuiabano News   tentou também ouvir o vereador Juca do Guaraná Filho. Ele leu a mensagem, mas não respondeu. E o espaço continua aberto para manifestção do vereador Juca do Guaraná.