Cuiabá - MT | Quarta-Feira, 28 de Julho de 2021

E se não tivesse câmera?

E se não tivesse câmera?

Dias atrás o Brasil se chocou com as imagens das câmeras que fizeram as filmagens de uma celebridade, um DJ, a espancar a sua companheira. Como? Por quê? Como ela aceitou? Como conseguiu filmar? Será que já sofria há muito tempo?

As cenas foram de mais absoluto horror! Inimaginável alguém se unir a outra pessoa ‘por amor’, e ser agredida da forma que presenciamos. Eram chutes, puxões de cabelo, tapas, e xingamentos… Tudo que fosse possível para humilhar e machucar a parceira, o agressor fez.

Leia Também:

– Educação inclusiva

– Facetas da violência psicológica

– A representação do rosto

– Assédios em home office

– Corpos ou máquinas

– O que elas pagam

– Deusa Maia

– A outra história da Covid

– Defensoria Pública na defesa da Mulher

– Mansplaining

– “Novo normal” para elas

– Não são loucas

– Confiabilidade feminina…

– Necessário acreditar

– Economia solidária e mulheres

– Onde a violência doméstica está

– Vida livre para elas

– Elas marcharam

– A casa é da mulher

-As Aracelis

-Palavra de quê?!

-Vítimas do coronavírus?

-Invadida

-Laiany queria viver

-Ainda acontece

-Mulher guerreira?!

-Nem Mário, nem João

-A toxicidade

-Maternidade e realidade

-Difícil recuo

Ele não teve piedade! A encontrava e desferia todo o seu ódio. Na presença da filha, ainda bebê, da babá da criança, e da sua sogra. Pelas imagens é possível perceber que quando o agressor falava imediatamente a vítima abaixava a cabeça, ficando em posição de quem estivesse com muito temor. A vítima contou à imprensa que a mulher das filmagens não era secretária da casa, mas, sim, a sua mãe.

Um homem que estava em ascensão na carreira artística, com diversos trabalhos para serem lançados em poucos dias e meses. Com as outras pessoas, com certeza, era extremamente cordato, pois, caso contrário não estaria a realizar tantas parcerias artísticas. Em casa, o Brasil descobriu de quem se cuidava…

Em muitas situações, homens bastante amáveis fora de casa com amigos e amigas, em casa mostram a face mais perversa da violência doméstica e familiar. Inacreditável! Como assim? Ela deve ter feito algo, pois esse homem é um amor de pessoa! Já disseram que ela é pessoa difícil! Quantas e quantas vezes ouvimos interjeições e exclamações dessa forma.

As imagens das agressões fazem as reflexões necessárias de quantas mulheres passam pela mesma situação. E quantas delas não possuem câmeras para realizar as filmagens? Quantas mulheres, por alguma espécie de dependência, suportam agressões como as que vimos? É possível imaginar, neste exato momento, quantas se encontram na mesma situação daquela vítima?

E o agressor em uma das reportagens tenta se explicar afirmando que já fora agredido pela vítima. Então por qual motivo em nenhuma das ocasiões das filmagens ela tentou se defender? É de se ressaltar que o homem não respeita sequer a filhinha do casal de poucos meses. Não respeita a situação da mulher com poucos dias de nascimento da filha ainda com o corpo inchado da gestação. Bate na companheira como se fosse o seu mais puro e cristalino direito desferir os golpes. É dele, né? E é mulher, que respeito merece? Ah, e dependia do moço que estava começando uma promissora carreira…

Sim, repito, estava começando a carreira, no pretérito. Agora, não mais conseguirá a nada alavancar. Os artistas que com ele gravaram ou fizeram clip, desistiram de divulgar a parceria. O spotify e o deezer não tocarão mais as suas músicas. Cancelamento total! Não há tolerância com violência contra a mulher!

Nada será como antes para esse ex-casal. Ela, que sai com vida, pode ter a certeza de um novo recomeço. Ele terá que recomeçar também, todavia, com a pecha de agressor.

Dentre tantas as perguntas do texto, agora a mais importante: e se não tivessem as câmeras? Teria essa mulher a mesma credibilidade que está tendo das pessoas, sendo ela a anônima e ele o famoso? Não estaria sendo julgada por querer aproveitar da fama do homem, como outras já foram?

Ah, câmera do bem! E se não tivesse câmera?

*ROSANA LEITE ANTUNES DE BARROS  é titular da Defensora  Pública  do Estado  de  Mato Grosso.

CONTATO:                www.facebook.com/goncaloantunes.debarrosneto