Cuiabá - MT | Quinta-Feira, 06 de Maio de 2021

Cremesp denuncia irregularidades em hospital de campanha do Anhembi

Cremesp denuncia irregularidades em hospital de campanha do Anhembi


source

Após recente vistoria técnica, o Cremesp (Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo) apresentou denúncia ao MP-SP (Ministério Público de São Paulo) para apurar irregularidades no hospital de campanha instalado no Pavilhão de Exposições do Anhembi. O local é administrado pela organização social Iabas.

Hospital de Campanha do Anhembi%2C SP
Redes Sociais /Reprodução

Hospital de Campanha do Anhembi, SP

Segundo o relatório, o hospital de campanha apresenta situações que colocam em risco a saúde dos pacientes com Covid-19 e dos profissionais de saúde. Entre as falhas estão falta de equipamentos, desrespeito a protocolos de atendimento e problemas sanitários, como higienização e desinfecção.

Leia também:

O documento revela que o espaço não tem ventilação adequada e que os espaços reservados para os profissionais da saúde – como vestiários e locais para alimentação e repouso – ficam dentro de áreas contaminadas.

O Cremesp aponta ainda a falta de EPIs (equipamentos de proteção individual). Conforme o relatado, máscaras do tipo N95 têm sido usadas por 15 dias. O Conselho diz que essas não podem ser utilizadas por mais de uma semana.

O gerente médico da ala do hospital de campanha do Anhembi gerenciada pela Iabas, Emerson Santos da Silva, nega irregularidades no local e se diz surpreso com as denúncias do Cremesp. Ele relata que a vistoria do conselho foi feita do dia 20 de maio.

“Recebemos apontamentos dele [fiscal] com elogios e situações favoráveis. É um relatório discrepante com a realidade”, afirma Silva, que desmente haver falta de equipamentos e reforça o rigor com procedimentos de sanitários.

A denúncia do Cremesp não abrange a parte do hospital de campanha que funciona no Palácio de Convenções do Anhembi, que é gerida pela SPDM (Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina). Essa ala também foi inspecionada, mas o relatório só deve ser publicado nos próximos dias.

O MP-SP diz que recebeu o documento elaborado pelo Cremesp e que solicitou um posicionamento à Secretaria Municipal de Saúde, gestão Bruno Covas (PSDB). Segundo a Promotoria, ainda não houve retorno. Com informações do jornal Agora.