Cuiabá - MT | Quinta-Feira, 06 de Maio de 2021

Lucimar requisita forças policiais e convida coronel da PM para vigilância sanitária

Lucimar requisita forças policiais e convida coronel da PM para vigilância sanitária

Mesmo ainda tendo casos abaixo a média nacional, mas diante do cenário mundial de 7 milhões de pessoas infectadas e mais de 401 mil óbitos, a prefeita de Várzea Grande, Lucimar Sacre de Campos e o Comitê de Enfrentamento ao Novo Coronavírus (COVID 19) decidiram, neste domingo (7), requisitar reforço da Polícia Militar, Corpo de Bombeiros e Vigilância Sanitária todos do Governo de Mato Grosso e formalizou convite para o Coronel PM, Alessandro Ferreira da Silva, para ser o Superintendente da Vigilância Sanitária da segunda maior cidade de Mato Grosso com poderes amplos de fiscalização, fechamento e multa de quem desrespeitar as regras de distanciamento social, uso de máscaras, luvas quando necessários e meio de higienização.

“Vamos ampliar os poderes de multa, encerramento de atividades, cassação de Alvará de Funcionamento para o comércio e a indústria para aqueles que desrespeitarem as regras dos decretos municipais e leis estaduais que tratam da exclusivamente da pandemia da COVID 19”, disse a prefeita Lucimar Sacre de Campos ao formalizar para que o coronel da PM, Alessandro Ferreira da Silva assuma o comando da Vigilância Sanitária.

Decreto Municipal será editado para que o Superintendente da Vigilância Sanitária de Várzea Grande escolha entre Guardas Municipais e funcionários para atuarem diretamente na fiscalização com poder de polícia e de multar.

A prefeita lembrou que quanto mais a população, o comércio e a indústria cumprirem as regras, mais distante ficará o lockdown (fechamento total de Várzea Grande), assegurando assim as autoridades de saúde pública, maior controle na aceleração dos casos da COVID 19.

“Vou ao governador Mauro Mendes para reforçar ainda mais a fiscalização em todos os setores e sentidos, pois a abertura de leitos de UTI feitos com muito esforço e dedicação por parte do Governo de Mato Grosso e do secretário de Saúde, Gilberto Figueiredo e sua equipe da Saúde Estadual, pode se tornar inócuo se continuarmos tendo crescimento em novos casos”, disse a prefeita.

Lucimar agradeceu ao esforço cotidiano de todos os servidores da saúde, médicos, enfermeiros, técnicos, auxiliares, enfim a todos que se dedicam incansavelmente pela saúde dos demais, bem como dos servidores públicos de outras áreas que estão redobrando esforços para que a pandemia tenha o menor impacto possível.

O presidente do Comitê de Enfrentamento ao Novo Covid 19, o secretário Silvio Fidélis sinalizou que é importante fundamental se ter uma autoridade militar isenta e independente para a adoção de medidas que sejam cumpridas, pois os esforços da administração municipal acabam se esvaindo porque parcela da população deixa de cumprir suas obrigações.

“Vejo muitos comentários desairosos de que a gestão municipal tenta jogar a responsabilidade no colo da população e só faz um comentário deste que não tem compromisso com a realidade, pois temos 7 milhões de contaminados no mundo e mais de 400 mil mortos em quase 200 países e incontáveis prejuízos que em alguns locais irá demorar vários anos para voltar a normalidade, para o cotidiano na vida das pessoas”, disparou Silvio Fidélis.

Já o secretário de Saúde de Várzea Grande, Diógenes Marcondes, apontou que Várzea Grande vem desde janeiro adotando medidas em todos os sentidos para enfrentar a pandemia. “Todas as superpotências mundiais, exemplos em ciência e em saúde, passaram constrangimento e dificuldades e aqui não será diferente. As pessoas precisam entender que a COVID 19 mata, então é necessário que ao menor sintoma de síndrome gripal, quando os casos são considerados leves, deve se procurar atendimento médico e imediatamente ir para o isolamento domiciliar. Se o quadro evoluir, passando para a condição de moderado, novamente procurar assistência médica para tratamento. Tudo isto para se evitar que o quadro chegue ao último estágio que é grave, pois já no moderado medidas como internação já são adotadas, tudo para se evitar a intubação ou medidas mais drásticas”, explicou o titular da Saúde de Várzea Grande.