Cuiabá - MT | Sábado, 23 de Outubro de 2021

Por aposentadoria, idosos fazem filas em bancos na Argentina

Por aposentadoria, idosos fazem filas em bancos na Argentina


source
banco arrow-options
Reprodução/ Clarín

Idosos fizeram fila nos bancos da Argentina para tirar benefícios

Na manhã desta sexta-feira (03) as filas em frente às agências dos bancos GBA, em diversas áreas da Argentina, chamaram atenção da internet. Em sua maioria idosos, os cidadãos não respeitaram o distanciamento social e causaram revolta.

Leia também: Londres inaugura hospital de campanha com 4 mil leitos

Todo o caos foi motivado depois que os  bancos  reabriram para o pagamento de aposentadorias e planos sociais de quem não possui cartão de débito. Assim como no Brasil, as agências argentinas abrem às 10h, mas as filas começaram a se formar no início da manhã.

Como forma de evitar a aglomeração, o Banco Central anunciou que as agências permanecerão abertas neste sábado e domingo para os pagamentos, mas a decisão foi tarde.

Muitas pessoas questionaram nas redes sociais, depois que uma foto vazou, se a quarentena contra a Covid-19 tinha ido “por água abaixo” e foi o assunto mais comentado no Twitter no país. Porém, especialistas acreditam que não há riscos de proliferação da doença, mas dizem que a aglomeração foi um erro.

“Nas filas havia idosos e, por sua vez, pessoas recebendo o Auxílio Universal da Criança (AUH). É evidente que com isso não fizemos nenhum favor à quarentena”, explicou o infectologista Eduardo López ao jornal Clarín . “A medida de unir idosos com beneficiários de planos sociais durante um único dia, algo que foi alterado rapidamente, mas que já estava feito, foi uma decisão infeliz e, honestamente, pouco profissional”, afirma.

fla arrow-options
Reprodução/ Clarín

Filas uniu idosos e beneficiários de programas sociais

Leia também: Com metade das pessoas em casa, EUA discute uso de máscaras

Para evitar cenas como a registra na foto acima, o governo argentino estudo propor horários específicos para aposentados e pensionistas irem buscar o auxílio nos bancos . “Muitos desses aposentados devem ter outras patologias e devemos cuidar mais deles”, explica o presidente da Sociedade Argentina de Doenças Infecciosas (SADI), Omar Sued.