Cuiabá - MT | Sábado, 23 de Outubro de 2021

Homem acusado de violência doméstica tem prisão cumprida em Barra do Bugres

Homem acusado de violência doméstica tem prisão cumprida em Barra do Bugres


.

Assessoria | PJC-MT

Um homem, de 21 anos, com mandado de prisão preventiva em aberto foi preso pela Polícia Civil de Barra do Bugres (168 km a Médio-Norte de Cuiabá), na tarde de sexta-feira (27.03). O suspeito teve a ordem de prisão decretada por violência doméstica contra a sua companheira.

O crime ocorreu no dia 1º de fevereiro, por volta das 23h50, no bairro Jardim Alvorecer, quando a vítima estava em sua casa e o suspeito chegou embriagado. Logo em seguida, o casal iniciou uma discussão, momento em que o suspeito esmurrou e bateu a cabeça da vítima no chão, causando-lhe várias perfurações graves, como afundamento de crânio e perfuração sob o queixo.

Assim que tomou conhecimento dos fatos, a equipe da Polícia Civil de Barra do Bugres deu início às diligências, colhendo termo de declarações da vítima e testemunhas e em busca do suspeito que após o crime, foragiu da cidade.

Diante da situação, o delegado do município, Renato Resende, representou pela prisão preventiva do suspeito, a qual foi deferida pela Justiça. Com a ordem judicial em mãos, na sexta-feira (27), os investigadores encontraram o investigado dando cumprimento ao mandado.

Segundo o delegado, a lei nº11.340/2006, conhecida nacionalmente como Lei Maria da Penha, criou mecanismos para coibir a violência doméstica e familiar contra a mulher.

“Nessa linha, o artigo 5º da referida lei diz que configura violência doméstica e familiar contra a mulher qualquer ação ou omissão baseada no gênero que lhe cause morte, lesão, sofrimento físico, sexual ou psicológico e dano moral ou patrimonial, e quem causar um desses danos à mulher está passivo de sofrear várias sanções legais dentre elas a prisão”, disse.

O delegado ressaltou ainda que mesmo enfrentando um momento de calamidade pública, em decorrência do Covid-19, a equipe de policiais civis está pronta para bem e fielmente atender à Sociedade, “notadamente em crimes graves, como os de violência contra a mulher”, ressaltou Renato Resende.

 

 

Fonte: PJC MT