Cuiabá - MT | Terca-Feira, 28 de Setembro de 2021

Contratação do goleiro Bruno divide torcida do Operário; Diretoria se posiciona

Contratação do goleiro Bruno divide torcida do Operário; Diretoria se posiciona

Goleiro Bruno, Poços de Caldas — Foto: Marcelo Rodrigues/EPTV

Considerado o investimento de maior impacto da temporada 2020, a provável contratação do goleiro Bruno Fernandes de Souza, ex-Flamengo, divide opiniões no seio da torcida do Operário de Várzea Grande. Nas redes sociais, não são poucos aqueles que criticam duramente a diretoria do Chicote da Fronteira por acatar uma suposta orientação do Boa Esporte, principal parceiro comercial do tricolor de Mato Grosso. Através do supervisor de futebol André Xela, a diretoria do clube se posicionou sobre a questão.

As manifestações mais duras partem de torcedoras do sexo feminino, que criaram até mesmo bordões para redes sociais: BrunoNão e EleNão são os mais utilizados. Nos grupos de torcedores do Operário não  se fala de outro assunto, embora alguns tentem contemporizar e reduzir o impacto da polêmica.

O principal argumento é de que a prioridade é incentivar o clube já que, pela primeira vez em muitos anos, o Chicote da Fronteira possui calendário cheio até setembro: Campeonato Mato-Grossense 2020; Copa do Brasil e Série D do Brasileirão.

Posição da diretoria

Entre o goleiro Bruno e o Operário, está tudo certo e só falta a liberação por parte da justiça. Na direção do Operário, já é do conhecimento que o goleiro enfrenta reações negativas por parte de alguns torcedores, especialmente da ala feminina, no entanto, o clube parece estar decidido a não voltar atrás nesse investimento.

“Não estamos trazendo o Bruno que cometeu um crime. O Bruno que estamos contratando é o atleta, o goleiro que terá um vínculo profissional e está disposto a ajudar o Operário a ser campeão”, afirma o supervisor de futebol do clube, André Xela, que em entrevista exclusiva ao Cuiabano News declarou que embora exista o desgaste por parte do jogador que ainda cumpre sua pena, é possível uma convivência pacífica.

“Essa divisão entre os torcedores é um fato normal e até mesmo o goleiro está preparado para enfrentar essa situação. Muitos são contra, mas muitos estão a favor”, afirma André Xela, revelando que uma enquete realizada pelo clube apontou que 85% da torcida aprova a contratação.

Conforme o supervisor, o Operário não está fazendo nada irregular ou fora da lei. “Estamos trazendo o Bruno para Mato Grosso em uma ação que terá total aval da lei. Ainda esta semana, o jogador vai procurar o Fórum em Varginha (MG), onde buscará a legalidade de sua transferência. A advogada do jogador, doutora  Mariana, nos adiantou que não deve haver nenhuma objeção para sua liberação. Por parte da justiça de Mato Grosso, também não deve haver problema, já que o goleiro ficará sob a responsabilidade do clube”, afirmou.

Questionado sobre o fato do porque o clube não procurou outro goleiro à altura de Bruno e por valores mais acessíveis – especula-se que o ex-jogador do Flamengo terá um salário de  R$ 4 mil  até R$ 6 mil por mês, no Operário -, André Xela afirma que ele é a primeira opção por sua qualidade técnica.

“O Operário está montando um time para ser campeão. Então, buscamos o que há de melhor no mercado de acordo com nossas condições e o Bruno se enquadrou dentro da margem do teto salarial e concordou com a filosofia do clube. Temos a certeza de que, com seu talento, será importante para o Operário”.

Se tudo correr bem e a justiça mineira dar o aval de liberação, o goleiro Bruno vai assinar o contrato de um ano com o Operário e deve chegar a Várzea Grande nos próximos dias a tempo da estreia no Campeonato Estadual. O goleiro segue treinando em separado na cidade de Varginha (MG).

O crime

Bruno foi condenado a mais de 20 anos de prisão pelo sequestro, assassinato e ocultação do cadáver de Eliza Samudio. Em julho ele recebeu autorização da Justiça e passou para o regime semiaberto. Em agosto de 2019, assinou o contrato com o Poços de Caldas (MG), mas o acordo durou dois meses e dois jogos amistosos.

Ele vem cumprindo pena no regime semiaberto em Varginha (MG). Lá, chegou a defender o Boa Esporte por cinco partidas, em 2017. Antes do crime, se destacou pelo Atlético Mineiro e teve uma rápida passagem pelo Corinthians, até que chegou ao Flamengo, pelo qual conquistou o tricampeonato carioca, entre 2007 e 2009 e o Brasileirão de 2009.