Cuiabá - MT | Terca-Feira, 28 de Setembro de 2021

Justiça nega liberdade a produtor rural acusado de matar engenheiro em MT

Justiça nega liberdade a produtor rural acusado de matar engenheiro em MT

O produtor rural Paulo Faruk de Moraes, que foi preso suspeito de matar o engenheiro Silas Henrique Palmieri, de 33 anos, em Porto dos Gaúchos, a 649 quilômetros ao norte de Cuiabá, teve o pedido de liberdade negado pelo juiz Vagner Dupim Dias, da Comarca de Juína, no dia 16 de dezembro. O crime foi registrado no dia 19 de fevereiro deste ano.

A reportagem tenta localizar a defesa do produtor rural.

Juiz Vagner Dupim Dias, da Comarca de Juína

Conforme o magistrado, o crime possui gravidade concreta e exacerbada, já que, em princípio, efetuou diversos disparos de arma de fogo nas costas de Silas no período diurno e em local com grande concentração de pessoas por se tratar de estabelecimento comercial.

Paulo teria cometido o crime para não pagar uma dívida de cerca de 12 mil toneladas de grãos que tinha com a empresa para a qual Silas trabalhava.

Silas era representante de uma empresa que financiou o custeio da lavoura e estava no município para acompanhar a colheita e cobrar a parte do financiador.

O crime

Silas Henrique teria sido morto com tiros na cabeça após cobrar uma dívida em uma fazenda da região. A vítima foi levada para o Hospital Municipal de Porto dos Gaúchos e os médicos tentaram reanimá-la em cima da caminhonete em que foi levada.

A testemunha, que levou Silas até o hospital, disse que estavam em uma lanchonete, na comunidade de Novo Paraná, e não perceberam quando Faruk chegou por trás deles e fez vários disparos na cabeça de Silas, que caiu já, aparentemente, morto.

Em seguida, Faruk saiu andando em direção ao seu veículo, olhando para trás para se certificar que havia matado à vítima. Silas trabalhava como consultor de vendas em uma empresa de insumos de Sinop.

Ainda à polícia, Faruk contou que se sentiu incomodado com a presença do engenheiro na fazenda, mas que não queria matá-lo.

A noiva do engenheiro agrônomo Silas Henrique Palmieri Maia, de 33 anos, a enfermeira e doutora, Ana Lúcia Sartori, disse que ele era muito extrovertido e batalhador e lamentou a morte.