CUIABANO NEWS
Home Política Economia & Agro Cotidiano & Polícia Esportes Variedades Opinião & Artigos Vida & Estilo MT
Inserido em: 29/11/2019  07:26:14


O tigre pantaneiro acordou


*VIVALDO LOPES DIAS

vivaldo.jpg

A Secretaria de Estado de Planejamento divulgou nesta semana estudo técnico sobre o comportamento da atividade econômica de Mato Grosso no segundo trimestre de 2019. Os dados confirmam a retomada da trajetória de crescimento chinês do estado após longa letargia dos anos de 2015 a 2017.

Estudo elaborado pelo excelente corpo técnico da Secretaria Estadual de Planejamento mostra que no segundo trimestre de 2019 o PIB estadual cresceu 4,5% em relação ao mesmo período de 2018. O crescimento anualizado (últimos quatro trimestres) foi de 3,0%.Análise detalhada do estudo permite verificar que o setor que apresentou o melhor desempenho foi o agropecuário que cresceu 18,8%. O setor de serviços cresceu 3,2% e a indústria teve queda de -4,9%.

Leia Também:

-Em marcha lenta

-Sol e vento tributados

-Gestão fiscal dos municípios

-Mais municípios, menos Brasília

-Decisão tardia

-O day after da nova previdência

-Rastreabilidade ambiental

-Juros surreais

-MT e o acordo Mercosul-União Européia

-Mais Mato Grosso, menos Brasília

-Danos comerciais das queimadas

Considero que o terceiro e quarto trimestres tendem a ter performance melhor que os dois primeiros, portanto, devemos fechar o ano com crescimento acima de 4%. Muito acima do 1% estimado para o PIB do país.

Apesar de os números ainda serem preliminares, pois o cálculo oficial da atividade econômica do paíse dos estados é feito pelo IBGE, analistas da economia estadual e do meio empresarial devem levar em consideração os dadosem suas projeções de cenários e tomadas de decisões,visto queo comportamento do PIB dos estadossão divulgados com dois anos de atraso. Os economistas da Seplan utilizam a mesma metodologia do IBGE, o que antecipa as tendências econômicas.

A “performance chinesa” da agropecuária mato-grossense foi impulsionadapor um ano excepcionalda produção de milho,  pecuárias bovina e suína. O milho viveu um ano dourado, embalado pelo aumento do consumo no mercado interno, elevação das exportações, principalmente para a China, e aumento expressivo dos preços pagos aos produtores. No mercado doméstico o milho foi bastante beneficiado pela demanda de rações para produção de carnes ( frangos, suínos e bovinos ) e também pelo aumento da demanda das plantas industriais que produzem etanol à base de milho. No mercado externo, as importações da China atuaram como motor da locomotiva produtiva..Com forte dependência de carne suína e tendomais de 40% do seu rebanho dizimado pela peste suína africana, os chineses precisaram importar mais carne bovina e de frango, beneficiando os produtores locais que aumentaram suas exportações.Está tão aquecida a demanda de milho que na safra 2020 é muito provável que a produção de milho supere a de soja em Mato Grosso.A pecuária de corte também teve em 2019 um dos seus melhores anos,com aumento do consumo doméstico, aumento das exportações e elevação de preços.

O setor de serviços, que engloba o comércio atacadista e varejo, serviços financeiros, intermediação bancária, seguros, saúde, educação e serviços públicos, mesmo tendo crescimento menor que o agropecuário, continua sendo o de maior participação na composição do PIB estadual. Segundo dados do estudo da Seplan, o segmento que mais puxou para baixo o crescimento do setor de serviços foi o da administração pública. A administração estadual convive com elevado déficit orçamentário desde de 2015, não conseguindo investir em proporção exigida peladinâmica da economia local e as prefeiturastambém apresentaram baixa capacidade investimento.

A nota dissonante continua sendo o baixo desempenho da indústria que apresentou queda de 4,9%, impactado pelo baixíssimo desempenho da construção civil que há 19 trimestres seguidos apresenta desempenho negativo na formação do PIB industrial. A construção civil foi um dos setores mais afetados pela profunda recessão econômica dos últimos anos, ausência de investimentos dos governos federal e estadual e baixa oferta de crédito imobiliário para aquisição de imóveis. No setor industrial, o segmento que melhor performou foi o de biocombustíveis. A indústria do estado enfrenta problemas estruturaisque inibe dramaticamente sua produtividade, reduzindo sua competitividade.

O estudo aponta a retomada do ritmo de crescimento do estado acima da média nacional, daí o termo Tigre Pantaneiro, em analogia aos “Tigres Asiáticos”.O lado menos luminoso é a forte dependência que a economia estadual tem da produção de mercadorias agrícolas (agrodependência), muito sensíveis a preços e demanda internacionais.  

*VIVALDO LOPES DIAS é economista formado pela UFMT, onde lecionou na Faculdade de Economia.  É pós-graduado em  MBA Gestão Financeira Empresarial-FIA/USP
E-MAIL: vivaldo@uol.com.br  

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

+A -A
scroll to top