Cuiabá - MT | Domingo, 19 de Setembro de 2021

Alimento de astronauta: empresa mato-grossense de spirulina é criada e visa mercado internacional

Alimento de astronauta: empresa mato-grossense de spirulina é criada e visa mercado internacional

Liderada pelo empresário do agronegócio e escritor, Reinaldo Morais, a empresa Spigreen foi lançada, em Cuiabá, para cerca de 500 pessoas. A fundação da marca, focada no cultivo e produção de spirulina em Mato Grosso e distribuição em todo país, no entanto, teve um trabalho anterior de oito anos.

Ao longo deste período, o grupo realizou intensas pesquisas sobre os benefícios desta cianobactéria, ainda pouco conhecida no Brasil e quais seriam as condições ideais para seu cultivo e produção. “Os oito anos foram fundamentais para que pudéssemos ter a melhor spirulina do mercado, que é feita em grande escala e com as características mais puras encontradas hoje. Assim, temos um produto de extrema qualidade e, o melhor, produzido aqui no Estado, onde temos orgulho em morar”, explica o CEO da Spigreen e filho de Reinaldo, Matheus Morais.

A propriedade da Família Morais encontra-se no município de Diamantino (184 quilômetros ao norte de Cuiabá) e, de maneira direta, cerca de 800 pessoas são empregadas. Além disso, a capacidade do cultivo, feito em tanques com água alcalina e com nutrientes específicos, faz do grupo o maior da América Latina em cultivo da spirulina.

Empresário Reinaldo Morais é pioneiro no empreendimento

Além disso, durante o lançamento da marca, o grupo apresentou todos os produtos Spigreen disponíveis no mercado e as possibilidades de seu uso no dia a dia, bem como contou com palestras de biomédicos, nutricionistas, pesquisadores e cientistas focados no estudo da cianobactéria e seus benefícios a curto, médio e longo prazo.

Hoje, a marca atua em quatro principais frentes: saúde e bem estar; emagrecimento; performance e longevidade, sendo 14 produtos, nas opções pó, comprimidos e cápsulas. Com a qualidade e pureza de seus produtos, o próximo passo, segundo Reinaldo Morais, é investir em outros mercados.

“A spirulina é considerada um superalimento, o alimento para o futuro da humanidade e, com certeza, Mato Grosso está na vanguarda do desenvolvimento da alimentação que será utilizada pelos próximos anos, no mundo todo. A cianobactéria vai muito além da nutrição, traz uma série de benefícios que várias pesquisas científicas de todo o mundo os comprovam. Então, nosso objetivo é nos tornarmos a maior empresa do mundo no segmento de spirulina e fazer com quem a Spigreen seja uma referência nacional e internacional”, pontua.

Empreender 

O evento de lançamento da Spigreen também oportunizou ao público presente informações sobre empreender com a marca. “Não só o público presente, mas pessoas de todo o Brasil que desejem se tornar representantes e vendedores dos nossos produtos, podem. Nossa intenção ao fundar a Spigreen é não apenas apresentar um produto de qualidade, mas também fazer com que as pessoas possam ter uma fonte de renda”, explica o CEO do grupo, Matheus Morais.

Para mais informações, interessados podem procurar o site da Spigreen, https://spigreen.com.br/, ou falar pelo telefone (65) 3041-2000, que também é WhatsApp.

A Spirulina 

A cianobactéria contém alta concentração de proteína (entre 60% a 70%), aminoácidos, ferro, betacaroteno, vitaminas B12, B, E, e minerais. De forma conjunta, estes compostos fazem da spirulina uma fonte de nutrientes importantes para o bom funcionamento do corpo e também prevenção de doenças como o câncer.

Mas, afinal, o que é uma cianobactéria?

  Organismos fotossintetizantes que surgiram há três bilhões de anos na Terra. Essas são as cianobactérias. A datação foi confirmada pela ciência a partir de fósseis conhecidos como estromatólitos, que foram formados por esses micro-organismos. Por existirem há tanto tempo, acredita-se que as cianobactérias foram as responsáveis pela produção do oxigênio que se acumulou na atmosfera primitiva.

Elas também chamadas de algas azuis ou algas cianofíceas e são micro-organismos procariontes capazes de realizar fotossíntese, mas não apresentam fotossistemas organizados em cloroplastos. Por essa razão, elas são, muitas vezes, comparadas com bactérias e algas.