Cuiabá - MT | Quarta-Feira, 28 de Julho de 2021

O bom Pedro

O bom Pedro

Arnaldo Justino da Silva é promotor de Justiça em Mato Grosso.

E aí Pedro morreu! 

Foi o que disse João ao terminar a notícia. Nem precisou terminar a frase, todos já estavam com os olhos lacrimejantes, chorando, profundamente emocionados.

Por que todos choraram?

Leia Também:

-A vaidade, a rosa e o sopro da vida

Direito, Poder e Sociedade

-Desconfiando até de Deus

-Direito, Poder e Sociedade
-Para reflexão

-Tempos modernos

–Jovens, é preciso ter espírito público e também coragem para a luta

Qual o mistério atrás do banho de lágrimas que surgiu naquele instante.

Você não conseguiria entender se não conhecesse Pedro.

Essa empatia não iniciou ali.

Quem era Pedro?

É o que vem antes que produz a emoção!

É saber quem ele era.

Que emoção haveria se Pedro não fosse aquele homem do bem, que ajudava a todos, que repartia seu lanche com o vizinho, que passava fome para ceder sua parte do almoço para o colega de trabalho.

Éh! Pedro era panacão. Bobão! Sempre perdia, e não fazia questão de sair bem no sorteio de quem ia ganhar mais dinheiro ou ficar de férias no período preferido.

Sempre ficava quieto quando o espertalhão não o deixava falar.

Amava a todos e tratava todo mundo como a pessoa mais especial do mundo.

Cedia sempre o seu lugar porque pensava que suas necessidades eram menos importantes que a dos outros.

Por que todos ficaram tão emocionados e lamentaram profundamente quando ouviram a notícia de que Pedro morreu?

Porque todos sabiam quem era Pedro! Era um homem querido e verdadeiro. Era companheiro e dedicado.

Era despido de vaidade e nunca falou de “berço” deste ou daquele, porque acreditava que o ser humano, independe de berço de ouro, pode ter vida dourada, bastando que tivesse a humildade daqueles que conseguem enxergar o futuro e saber o pouco tempo que tem para fazer tantas coisas importantes e , por isso, deveria aproveitar para escolher os valores que realmente importam, pois não tinha tempo para perder com as coisas fúteis e mesquinhas.

Enfim, Pedro vai deixar saudades porque era especial. Morreu! Não pensou em vida que ia deixar tanta saudade, mas deixou. Sua morte não emocionou porque  morreu, mas porque foi ao exício o Pedro, o bom Pedro.

Não são todos que ao morrerem deixam olhares lacrimejantes e almas sentindo que houve uma perda que por muito tempo nos deixará no vazio e na saudade. Só os Pedros aos morrerem deixam a gente assim.

*ARNALDO JUSTINO DA SILVA é Promotor de Justiça em Mato Grosso, na Comarca de Cuiabá.

CONTATO:   arnaldo.silva@mpmt.mp.br

Arnaldo Justino: porque todos sabiam quem era Pedro! Era um homem querido e verdadeiro