Cuiabá - MT | Segunda-Feira, 02 de Agosto de 2021

Mulheres agregadoras

Mulheres agregadoras

Atualmente e com as novas exigências da sociedade e do mundo globalizado a mulher brilhantemente está dominando espaço no mercado de trabalho.

Leia Também:

-Leitura transforma o cidadão

-Mulheres e poder cultural

-Amor, lei é lei 10.741/2003

A liderança feminina é cristalina. E, mulheres enquanto líder em suas funções evidenciam que, não há limites para competir.

As mulheres trabalham para que cada cidadão tenha em seu entorno o mundo do bem-estar social.

Presidente da ADDTDM de Várzea Grande, Rita Avelino da Silva, mostra uma das redes expostas em Cuiabá
As mulheres incentivam e propiciam ações para igualdade de gêneros. Enquanto líder constrói e, trabalha incansavelmente para que possamos viver em uma sociedade unida, sensata e participativa.

Quão é importante ressaltar que quando há participação feminina existe ações, assim cumprindo exigências sociais imposta pelo mercado de trabalho, justiça e igualdade social.

As ações de liderar da mulher são visualizadas em todas as instâncias de poder, ainda mais como agregadora e demostrando querer ter em seu cotidiano pessoas que dominem competências. Tendo em vista que cada cidadão é único e independente de sua história de vida. Então vamos ser justos com todos.

Citaremos um exemplo de busca de uma mulher “A” que recorreu ao Estado para obter seus direitos enquanto cidadã e, eis que encontrou uma mulher exercendo cargo de liderança: Farmacêutica Lucí E.G. Oliveira, Superintendente de Assistência Farmacêutica/MT. Esta senhora em poucos minutos, já tinha acessado um dos maiores especialista na área da saúde para resolver a questão da paciente.

Doutor Mardem Machado de Souza. (coloproctologia/cirurgião aparelho digestivo). Ela enquanto mulher ficou longe do “ego” teve a humildade de chamar um colega para resolver questões da sociedade.

Então, todos cidadãos deveriam fazê-lo com humildade e competências todos unidos independente de gênero ou cor de pele. Nós podemos viver mundo multicores.

Basta dizer que temos também uma mulher professora superintende do Hospital Universitário Júlio Müller (HUJM), Doutora  Elisabeth Aparecida Furtado de Mendonça, também pronta para lutar pela melhoria da saúde pública e minimizar as diferenças. Assim um país de primeiro mundo.

Isto é agilidade e prontidão das mulheres que buscam oferecer o melhor para todos conforme apregoa a Constituição.

Mais ainda, as mulheres demonstram flexibilidade para ouvir da sociedade. Todo cidadão é pagante dos impostos e quando sentir afetado acione as competências para que haja celeridade na solução.

 

*GRACI OURIVES DE MIRANDA  é professora Português/literaturas: Língua Portuguesa e inglês/literatura inglesa. Registro LP9614565/Demec/SP-SP. Especialização História Social – UFMT. Curso – USP-SP: “Prática de ensino da língua inglesa”.  04 Livros publicados, sendo 1 – obra científica

CONTATO: go.miranda@uol.com.br