Cuiabá - MT | Quarta-Feira, 28 de Julho de 2021

Com gol polêmico, Santos vence a Chape e dorme na liderança do Brasileiro

Com gol polêmico, Santos vence a Chape e dorme na liderança do Brasileiro

Soteldo comemora o gol contra de Gum: Chapecoense 0 x 1 Santos (Foto: LIAMARA POLLI/AM PRESS & IMAGES/ESTADÃO CONTEÚDO)

Depois de três rodadas sem vitórias, o Santos se recuperou e venceu a Chapecoense por 1 a 0, na noite deste sábado, na Arena Condá, com um gol contra de Gum, em lance polêmico – na origem da jogada, Victor Ferraz recebe em impedimento. Na Central do Apito, o comentarista Paulo César de Oliveira explicou que o lance não poderia ter sido anulado pelo VAR porque a Chape chegou a recuperar a posse, gerando uma nova jogada, antes de perdê-la novamente. Melhor para o Santos, que volta a dormir na liderança do Campeonato Brasileiro e agora seca o Flamengo, que pega o Palmeiras neste domingo, no Maracanã, no complemento da 17ª rodada. Já a Chapecoense segue na zona do rebaixamento, com 14 pontos em 17 rodadas.

Paulo César de Oliveira, comentarista da Central do Apito, do Grupo Globo, diz que o gol do Santos que abriu o placar contra a Chapecoense surgiu de um “erro crasso” da arbitragem, mas que não poderia ser revisto pelo VAR (árbitro de vídeo) porque a Chape recuperou a posse de bola (antes de perdê-la novamente), gerando uma nova jogada. Na origem do gol, aos 38 minutos do primeiro tempo, Victor Ferraz recebe em impedimento. A jogada prossegue e termina com cruzamento de Soteldo, que Gum, na tentativa de cortar, desviou para o próprio gol. Paulo Cesar chamou o lance de “erro crasso” do assistente Daniel do Espirito Santo Parro.

– Erro crasso do assistente. No momento do passe, o Victor Ferraz estava claramente em impedimento e o assistente deu sequência no jogo. Por que ele não levantou depois a bandeira depois que saiu o gol? Porque a Chapecoense recuperou a posse da bola (o que configura uma nova jogada). Na sequência, o Santos retoma a posse da bola e sai o gol. O árbitro de vídeo tem de checar desde o início da fase de ataque e ele não pôde interferir nesse gol porque a Chapecoense teve a posse da bola (e depois a perdeu) por erro do assistente número 2 (Daniel do Espirito Santo Parro) que não deu um impedimento claro – explicou o comentarista.

VAR é acionado, mas decisão de campo é mantida

Aos 33 minutos do primeiro tempo, a Chape teve um pênalti analisado pelo VAR, em disputa entre Lucas Veríssimo e Everaldo – o Bruno Arleu de Araújo (RJ) viu o lance no vídeo e resolveu manter a decisão original, de não dar o penal.

O que vem por aí

Os dois times voltam a jogar no domingo: o Santos recebe o Athletico-PR às 16h na Vila Belmiro, e a Chapecoense encara o CSA às 19h em Maceió.

(Globo Esporte)