Cuiabá - MT | Terca-Feira, 15 de Junho de 2021

Crianças são internadas após intoxicação alimentar em escola

Crianças são internadas após intoxicação alimentar em escola

Pelo menos 40 crianças da Escola Abdala situada no bairro São Mateus, em Várzea Grande precisaram ser encaminhadas às pressas para o Pronto-Socorro Municipal da cidade após possivelmente sofrerem intoxicação alimentar.

Por enquanto, o caso é acompanhado pela Polícia Militar e a Secretaria Municipal de Educação.

Mas, informações preliminares apontam que as vítimas tem entre seis a 10 anos. Elas teriam passado mal após tomarem um suco. A identidade dos estudantes ainda não foi divulgada.

Do total de 40 menores, 15 foram encaminhadas para uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA) e as demais 25 foram levadas ao Pronto-Socorro Municipal de Várzea Grande (PSMVG).

Caso é apurado pela Polícia Civil.

Outro lado

Procurado pela equipe de reportagem do Cuiabano News, o secretário de Comunicação de Várzea Grande, Marcos Lemes, informou que a escola tem 800 alunos. Desses, 28 não passaram mal, dois já foram atendidos e liberadas, 29 continuam no Pronto-Socorro sendo acompanhados e 15 na UPA.

“Todos que estão nos hospitais estão em observação porque apresentam sintomas de vômitos e diarreia. Sem maiores riscos e a Vigilância Sanitária está na escola recolhendo merendas, sucos e fazendo análise da água para ver o que está acontecendo. No entanto, nenhuma das crianças desmaiaram. Desse total de alunos, foi apenas uma turma que apresentou esses sintomas e foi necessário acionar o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu)”, disse.

Já o secretário de Educação do município, Silvio Fidelis, informou à reportagem que está acompanhado o caso de perto e todos os produtos da alimentação da escola já foram checados e nenhum deles estão com a validade vencida.

“Algumas das crianças podem ter passado mal de estresse ou ansiedade ao ver os demais passando. Tanto que tem crianças que não se sentiram bem, mesmo sem se alimentar na escola. Logo, o caso será esclarecido e saberemos o que aconteceu com todos os alunos que não apresentam riscos maiores”, finalizou.