Cuiabá - MT | Terca-Feira, 03 de Agosto de 2021

A lusitana roda

A lusitana roda

O realismo fantástico que permeia a América Latina, faz acreditar que seremos salvo por algum Messias que  surgirá, com poderes mágicos, e resolverá todos os nossos males. A formosa Argentina, depois de quase um século, ainda se debate com os herdeiros de um “encantador de serpentes”.

Leia também:
-Vale de lágrimas
-O lado mais fraco

-Os ofícios

-A casa dos meus pais

-Os frutos da Árvore Envenenada

A Venezuela, por idênticos motivos,  encontra-se, sem remissão, no fundo do poço. E Cuba, vítima de um autoritarismo/caudilhista perverso, há 60 anos, culpa terceiro pelos seus males e mantém o povo acorrentado a uma pobreza crônica. De resto toda a América Latina, em maior ou menor intensidade,  padece de um caciquismo autoritário.

Estes são exemplos emblemáticos do caudilhismo que persegue o Continente. Não se tem notícia da sua presença em países da língua inglesa, mas nos de língua espanhola e portuguesa estão na origem os seus protótipos: Generalíssimo Francisco Franco e Antônio de Oliveira Salazar.

E aqui no Brasil, padecemos de um “sebastianismo” arraigado e falso de que vai renascer ou surgir um Moisés  que vai nos levar a “Terra prometida”. Certamente que ele não surgiu nas eleições de outubro/2018!

O difícil é tirar os antolhos de seus fiéis seguidores, como não os retirou os seguidores do líder da esquerda que se encontra preso. Os fanáticos não têm e não fazem autocríticas. Eles são os donos de verdades absolutas e tentam impô-las qualquer custo. O fanatismo é uma doença crônica sem cura!

As ideologias do passado (Nazismo, fascismo e comunismo), não tem nada a nos ensinar, a não ser como evitá-las. Os lideres saudosistas e os arroubos contemporâneos nessa direção devem ser severamente combatidos.

Com parcas esperanças, vou torcendo para não ser empalado por minhas opiniões. Bem como de que tudo não esteja perdido e  as virtudes do nosso suposto mito sejam maiores do que os seus públicos e conhecidos defeitos, a sua falta de tato e suas histriônicas caneladas. Afinal, o nosso único bem de vida é a surrada  esperança. Que ela nos dê um alento e nos conforte nestes tempos de fogueiras e incertezas.

Mas não tem nada não…  Não haverá de nos faltar entusiasmo, pois nada mais certo do que a mudança (Cláudia Penteado). E o mundo continua girando e a Lusitana prossegue rodando. Quem duvidar que aguarde.

*RENATO GOMES NERY  é  advogado em Cuiabá e ex-presidente da OAB – Seccional de Mato Grosso.
CONTATO: 
rgnery@tera.com.br — — — www.facebook.com/renato.g.nery