Expediente | Quem Somos         
   Terca-Feira, 04 de Agosto de 2020   

CUIABANO NEWS
Home Política Economia & Agro Cotidiano & Polícia Esportes Variedades Opinião & Artigos Vida & Estilo MT
Inserido em: 09/08/2019  16:59:05


Delator de esquema na Seduc do governo Taques diz que “não tinha para onde a gente fugir”



Ex-governador-Pedro-Taques-do-PSDB-e-o-ex-secretário-Permínio-Pinto-Filho-são-investigados-na-Operação-Rêmora-4.jpg

O  Luiz Fernando Rondon, delator da Operação Rêmora, afirma que todos os empresários que tinham contrato com a Secretaria de Estado de Educação (Seduc) foram extorquidos pelo grupo criminoso liderado pelo ex-secretário Permínio Pinto FiIho, titular da pasta e da Executiva do PSDB. “Não tinha por onde a gente fugir”, declarou em interrogatório à juíza Ana Cristina Mendes, titular da 7ª Vara Criminal da Comarca de Cuiabá.

A audiência estava marcada para a semana passada, mas foi redesignada para esta sexta-feira (9) porque o delator não compareceu, assim como advogados e outros réus. Ele foi a um retiro religioso e não informou ao juízo que iria se ausentar.

Luiz Fernando, dono da Luma Construtora, foi o primeiro empresário a contar sobre o esquema à polícia. Depois da denúncia, veio à tona o esquema que desviou milhões do erário por meio de fraude em licitações de obras e reformas em escolas. 23 empresas são investigadas por envolvimento no esquema.

Durante oitiva, o empreiteiro contou que quando o ex-governador Pedro Taques (PSDB) assumiu, todos os pagamentos às empresas de construção foram suspensos. Ele foi reclamar sobre o não pagamento ao servidor Fábio Frigeri, engenheiro responsável pelas medições e este o orientou a falar com o empresário Giovani Guizardi, dono da Dínamo Construtora.

Eles marcaram encontro e, na oportunidade, Guizardi falou que o delator teria que pagar 5% do valor dos contratos. O empresário questionou o valor, mas o cobrador afirmou que era assim, se ele quisesse manter contrato com a pasta. Guizardi ainda confirmou ao empreiteiro que o secretário Permínio Pinto sabia de tudo.

Luiz Fernando contou que tentou confirmar a informação com Permínio, mas não foi recebido. Em contato com os demais empresários que tinham valores a receber, todos disseram que não tinha como pagar o percentual exigido.

Diante da resistência em receber os 5% dos donos das empreiteiras, o grupo criminoso baixou a margem para 3% do valor a ser pago pelo Estado. Assim que recebiam o pagamento das obras, o dinheiro correspondente aos 3% retornava para Guizardi que repassava a Permínio e os demais envolvidos no esquema.

Depois do acerto, Luiz Fernando recebeu uma obra e entregou, pessoalmente, os R$ 4,8 mil a Guizardi, no escritório que mantinha no Edifício Avant Business. Posteriormente foi publicado um edital de obra que seria interessante para Guizardi. O certame estava “viciado” e Luiz Fernando pediu a suspensão da concorrência. Ela foi suspensa e o empresário foi perseguido por isso e houve atraso em seus pagamentos.

“Nós, empresários, fomos vítimas de processo de extorsão montado dentro da Seduc”, declarou no interrogatório.
Outras duas testemunhas foram ouvidas. Na ação, são réus o empresário Alan Malouf, Permínio Pinto Filho, Fábio Frigeri, Wander Luiz dos Reis e Giovani Belatto Guizardi.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

+A -A
izmir escort izmir escort izmir escort izmir escort denizli escort antalya escort antalya escort antalya escort antalya escort ankara escort izmir escort izmir escort
scroll to top